Pre-ga-da

Estou exausta. Absurdamente exausta. Física e mentalmente exausta.

Já são 49 dias. 49 dias de meninas dia e noite, noite e dia. 49 dias que não tenho uma só hora só para mim.

Eu não sei o que é não se preocupar com a comida delas, andar e olhar uma loja sozinha, ficar deitada durante o dia, escolher meu programa de tv. Tá, alguns programas eu vejo, mas só depois das 22hs, depois que elas dormem. Eu não sei o que é ter uma conversa com outro adulto sem a interrupção delas (novamente, só se for depois das 22hs). Eu não sei o que é descer o elevador e apertar os botões porque elas estão sempre comigo lutando para ver quem aperta qual. Eu não sei o que é silêncio, ócio, tédio. E estou, completamente, cansada.

Eu amo as minhas filhas de paixão e sou totalmente anti-babás (olha meu assunto favorito ressurgindo das trevas), mas daria minha vida por 48hs minhas, só minhas. Tudo o que eu queria, nesse momento, era minha mami desembarcando aqui. E eu não iria grudar nela para matar as saudades, deixaria isso para depois, eu iria deixa-la curtir as netas e sumiria do mapa, isso sim! Hahaha

Hoje recebi esse texto AQUI e me identifiquei por completo. O título é “Ser mãe é se fuder no paraíso”. Um pouco indelicado, para meus parâmetros, mas ela soube traduzir em palavras alguns dos meus sentimentos. Eu, felizmente, já passei da fase de querer jogar as meninas pela janela, que era quando eu ficava privada de sono. Acho a privação de sono o maior mal da maternidade. Sem dormir eu não funciono. E não estou falando em passar uma noite em claro esporadicamente, nem em dormir 7hs por noite, estou falando dos 44 dias SEM DORMIR que os pais passam no primeiro ano de um bebê! (Duvida? Leia isto AQUI TAMBÉM!) Eu já admiti que entendo (não, não concordo, claro que não) as mães incultas, sem estudo, sem educação, sem carinho maternos elas próprias, que maltratam seus rebentos recém-nascidos, ou que esmagam durante o sono. Entendo. Juro. É de enlouquecer qualquer ser humano porque é um cansaço fenomenal e um amor extraordinário. É difícil achar o equilíbrio. Maaaaas, já passei dessa fase. O cansaço agora é outro. E tem data para terminar (escola à vista???). Ufa.

Estou cansada de brincar de Barbie diariamente, duas, três vezes por dia. Cansada de colorir. Cansada de trocá-las 4 vezes por dia, pelo menos. É, elas pedem para trocar de fantasia, no mínimo, 3 vezes por dia! Uma graça, não? Não, não é uma graça se elas não sabem colocar asas, ou luvas, ou até mesmo a fantasia inteira, sozinhas!!! Estou cansada de inventar atividades, de ter que passear em um lugar amigável para crianças só para elas se divertirem. E se eu não faço nada disso? Morro, me consumo inteira, de culpa!

Ai, a culpa… A culpa é sempre da mãe. Sempre. E se os outros não acharem que a culpa é da mãe, não se preocupem, a própria mãe estará achando isso. Eu não tenho coragem de não fazer as coisas para agradá-las, não tenho coragem de frustrar qualquer expectativa delas. Eu me sinto um monstro só de pensar em me trancar no quarto e deixa-las na sala vendo desenho e comendo pipoca (eu imagino que elas não me achariam um monstro, até gostariam, mas eu me sinto assim)! E hoje, sim hoje, marido foi ao parquinho com elas por 1h, eu fiquei em casa – SOZINHA – e achei estranhíssimo! Adorei os primeiros 20 minutos. Depois fiquei pensando se estava tudo bem. Pensando em como seria tedioso estar aqui sem elas. Pensando em como era sem graça a minha vida sem filhos. Quando eles voltaram eu já me sentia renovada e morta de saudades das minhas crias!

Entendamos: minha vida não vai mudar radicalmente por agora. Mas os dois dias que elas irão para a escola (no começo mandaremos só dois dias por semana, meio período), me darão o descanso desejado e merecido. Estarei tranquila por saber que elas estarão bem cuidadas e se divertindo. Eu não preciso de mais do que isso. E sei porque em Bauru eu tinha meio-períodos 5x/semana e eram além do que eu precisava, eu chegava a ter vários momentos de tédio total! Então, torçamos os dedos para dar certo a escola e começarmos, no mais tardar, no dia 7/10!

P.S.: Notem que eu não reclamei dos trabalhos da casa! Rs Estou totalmente adaptada com isso e não me incomodo, de verdade. Não consigo nem me imaginar com uma empregada aqui! Acreditem se quiser!

P.S.2: Marido é mega-maxi-ultra participativo e ativo! Ele brinca MUITO de Barbie também, dá todos os banhos, faz muita comida, troca muita roupa e brinca muito com elas. Mas, com as aulas, ele fica bastante fora e tem contato com outras pessoas, talvez por isso fique menos exausto que eu! Rs

 

Anúncios

4 pensamentos sobre “Pre-ga-da

  1. Nossa, Flavinha, te entendo tanto tanto. O cansaco, a falta de tempo pra si, a culpa e a saudade mega quando elas nao estao por perto. Meu marido eh um excelente pai, mas fica fora das 7 as 19h. Elas acordam as 6:30 e dormem as 19:30 (bom, na sorte), ou seja, ne? E ele nao acorda no meio da noite para amamentar nem para socorrer Laura dos pesadelos (nao porque ele nao queira, mas ele nao ouve!). Acho que quando Bea crescer, vai ser mais facil, porque elas vao para a creche e eu voltarei a trabalhar, mas por enquanto, estou nesses 44 dias sem dormir. E olhe, quando marido me disse isso pela 1a vez, eu achei ate pouco, viu? Tenho certeza de que fico mais do que 44 dias sem dormir (minhas filhas nao veem prazer em dormir, Bea dorme na nossa cama, mama 3x no meio da noite, quando nao 5). Forca na peruca, porque eh dificil pra cacete mesmo.

    • Chris! Imagino seu cansaço! Eu, felizmente, tive ajuda quando a Marina era bebê! Foram muitas as tardes que eu deixei a Lia na escola e deixei a Marina com a empregada p dormir pq sabia q a noite seria em claro, como eram quase todas! Rs
      Mas não dormir de noite nem de dia é um sacrifício extra-corpóreo! Hehe É a única coisa q me impede, neste momento, de ter um terceiro filho! Marido tem q se concentrar e n poderia ajudar muito!
      Força aí tb pq vc ainda terá uns meses trabalhosos no caminho!

  2. Sempre achei muito corajoso você ter parado de trabalhar pra ficar em tempo integral com as meninas, e estou achando ainda mais corajoso ver, de vez em quando, aqui no blog, você mostrar que essa escolha – como todas as outras – não é livre dos seus momentos ruins também. Essa é só mais uma fase que vai passar e daqui a alguns anos você provavelmente vai lembrar muito mais dos dias bons e das descobertas felizes do que desses momentos de desespero total. 🙂

    • Paty! Hj lembrei mto da frase da sua avó! Depois de tanto perrengue p tirar a carteira, ela teve um gostinho especial! Ganhei até almoço fora p comemorar! Rs
      E n sei se sou corajosa ou louca! Hahaha Mas beleza, no fim vale a pena! Não trabalhar e curtir esses anos delas foi a melhor escolha da minha vida!
      Beijocas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s