Divagações do inferno astral

Estou em um retiro espiritual. Isso mesmo. Não fisicamente, mas na minha cabeça é justamente por isso que estou passando. Enlouqueci? Ainda não, mas estou caminhando para tal. Ou estava, até que resolvi me forçar a participar deste retiro.

Do que consiste? Consiste em, unicamente, me ausentar das redes sociais por 15 dias. Até que chegue o meu aniversário estarei offline. Não deixarei de acessar email e sites de notícias. Não deixarei de tirar fotos e escrever no blog. Mas estou me retirando, voluntariamente e por tempo determinado, do facebook e Instagram. No twitter ainda entro para ler as notícias, já que lá sigo muitos canais, mas não escreverei nem responderei ninguém. Se quiserem me contatar o façam por intermédio deste blog, yahoo, whatsapp e facetime.

Mas por que? Estou me sentindo asurdamente sufocada com tanta informação. E, muito pior, sedenta por mais! Além de estar conectada o dia inteiro perco horas de sono para não “perder” nenhum acontecimento, nenhuma postagem alheia. Posso ficar duas horas seguidas no celular olhando o que escreveram, fotos que mandaram, ou qualquer coisa do gênero.

Não, eu não quero isso. Sou super conectada e considero-me “antenada” virtual, mas passei dos limites do que eu mesma considero normal e saudável. Eu mal leio livros, mal vejo tv porque estou na internet! Eu divulgo mais passos meus do que gostaria. Eu preciso, pela minha sanidade, diminuir o ritmo.

E, concordando bastante com esse texto aqui, preciso fazer isso pelo bem das meninas também. Tá, não radicalizarei. Claro que não. Mas não exporei em excesso. Fotos estarão disponíveis no blog, bem menos acessado que as redes sociais. Algumas no Instagram. Pouquíssimas no Facebook. Cheguei, de verdade, no meu limite virtual.

Um outro texto com o qual me identifiquei foi este. Eu não sou minimalista, mas posso dizer que não sou o oposto também. Hoje moro em um apartamento de 2 quartos – morava em uma casa de mais de 350m2, tenho um carro de 2004 pra família inteira – tínhamos 2 com menos de 2 anos, uma tv de 32′ na casa – eram 4, e metade das roupas e sapatos de 3 meses atrás. Abrimos mão em nome de um sonho e do que acreditamos ser a felicidade. Não trabalho há mais de 4 anos por escolha. Escolhemos ter menos renda para eu poder acompanhar de perto o crescimento das meninas. Enfim, talvez eu esteja mais perto de ser minimalista do que a consumista capitalista que um dia fui. Será?

Uau. Todas essas mudanças de comportamento e avaliações de vida se devem ao inferno astral? Será isso parte da conscientização do que significa ter 37 anos? Hahahaha

P.s.: A Mercedes rosa é tudo, não? Eu nunca entendi pq n existem carros rosa no mercado (vc pode n gostar, mas eu n gosto de carros ocre ou carros verde limão e eles existem)! Hj vimos essa Mercedes e eu tive q fotografar! E, sorry, não tenho fotos novas das meninas…
P.s.2: Hoje entrei no face por 2 minutos, contados no relógio, só para curtir as mensagens carinhosas pela morte do meu avô. E pronto. Sem mais rede social pelos próximos 15 dias!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s